Muitos nôs perguntam: “Será que vale a pena mesmo consertar ou devo comprar outro?” com essa reportagem feita pela revista ‘Fotografe Melhor’ em 2006 sobre nossa assistência, você descobre!

“Não só as poucas oficinas autorizadas consertam câmeras digitais. As especializadas, como a Tecnikon e a Optisom de São Paulo, capital, aos poucos vão se adaptado para a sofisticada tecnologia eletrônica. Quando o problema é na cortina, a Optisom dispõe não só de obturadores originais para a troca, como também faz o conserto do componente, que é possível em 90% dos casos, assegura Adriano Carnelossi, responsável pela oficina.

O preço do reparo é bastante atraente: R$ 300,00 para qualquer câmera, com garantia de três meses. O técnico explica que, em muitos casos, o que quebra no obturador são somente as pequenas e frágeis hastes em plástico de acionamento, substituídas por outras de metal feitas no torno da própria empresa.

“o obturador fica melhor que o original”, dia Walter Carnelossi, proprietário da oficina e tio de Adriano, para quem o sobrinho de 23 anos superou o mestre e hoje é fera quando se trata de resolver os intrincados problemas das câmeras digitais. O serviço é prometido para até cinco dias. Se necessário, a troca do obturador sai por R$ 650,00, com garantia de três meses – a mesma das oficinas autorizadas Canon e Nikon no Brasil.

Baratas, mas frágeis.

A maior “fragilidade” das SLR digitais de menor preço é o único empecilho para a utilização profissional intensiva do equipamento, já que condições, recursos e qualidades elas tem de sobra para a nobre função.

Se a durabilidade da digital depende da qualidade do obturador, então por que as fábricas não equipam logo suas excelentes câmeras com o melhor produto? A explicação é que isso já vem sendo feito: quem procura uma câmera com obturador melhor deve optar por um modelo mais resistente, como a Canon 20D, Nikon D70s ou a Fuji S3 Pro. Na falta destas, a solução mais palpável para prolongar o usufruto do obturador seria o uso racional da câmera, recomenda Maurício Namba, para quem é ótimo o recorde de disparos acumulados pelo obturador, mas não o de imagens capturadas pelo fotografo de uma única reportagem.

Infelizmente, ainda não se sabe exatamente porque em câmeras idênticas a vida útil do obturador pode ter grandes diferenças. Pode ser o uso intensivo ou frequente em altas velocidades, ate mesmo a temperatura do ambiente, entre outros motivos. O melhor é conter o ímpeto de disparar compulsivamente, algo que se fazia com câmeras de filme por causa de custos do processo de revelação e ampliação – o que no digital é desconsiderado”

*Os valores apresentados nessa matéria feita pela revista ‘Fotografe melhor’ em 2006 são os valores cobrados na época e representativos, atualmente nossa assistência realiza um orçamento prévio para ter um valor do conserto.*